Créditos:Reprodução
Dirigentes da FAP participam de seminário sobre Gramsci em Roma

Dirigentes da FAP participam de seminário sobre Gramsci em Roma

O seminário tem a finalidade de “realizar uma discussão envolvendo os estudiosos do pensamento de Gramsci em diversas partes do mundo”

Por Germano Souza Martiniano

A Fundação Astrojildo Pereira (FAP) participará, nos próximos dias 18 a 20 de maio, do Seminário Hegemonia e Modernidade, em Roma, Itália, no momento em que se completam os 80 anos da morte de Antonio Gramsci, uma das referências essenciais do pensamento de esquerda no século 20, co-fundador do Partido Comunista Italiano. O evento, organizado pela Fundazione Gramsci, tem o objetivo de “realizar uma discussão envolvendo os estudiosos do pensamento de Gramsci em diversas partes do mundo” e também destaca, com o convite feito à FAP, o papel da Fundação como uma instituição de cultura da esquerda democrática brasileira que tem, no filósofo marxista, uma de suas referências.

A FAP estará sendo representada no seminário por meio de dois de seus dirigentes, especialistas em Gramsci no Brasil, Alberto Aggio e Luiz Sérgio Henriques (que também é tradutor do filósofo). Para Aggio, o convite da organização do evento, para que a Fundação Astrojildo Pereira integrasse o seminário, foi um forte reconhecimento das atividades de publicação e tradução do pensamento de Gramsci realizado pela FAP e de seus comentadores aqui no Brasil. “Um reconhecimento que deve ir além da Itália”, avalia Aggio.

Em rápida entrevista para a FAP, Aggio e Luiz Sérgio ressaltaram a importância do evento. Confira, a seguir:

O que este seminário pode contribuir para a FAP?

Alberto Aggio: A FAP se coloca internacionalmente como uma instituição da cultura da esquerda democrática que tem em Gramsci uma de suas referências. O convite dos italianos significa um reconhecimento das nossas atividades de publicação e tradução do pensamento de Gramsci e de seus comentadores aqui no Brasil. É um reconhecimento que deve ir além da Itália.

Luiz Sergio Henriques: A FAP é uma fundação ligada ao Partido Popular Socialista (PPS), que por sua vez, vem do Partido Comunista Brasileiro (PCB). O PCB sempre teve relações muito fortes com os comunistas italianos, sendo Gramsci um deles. Portanto, o intercâmbio de ideias entre italianos e brasileiros, mantendo essa corrente de pensamento viva entre Brasil e Itália, é bom para nós, bom para os marxistas brasileiros, bom até para os não marxistas. E é bom, também, para os italianos quando levamos a tamanha complexidade da vida social brasileira.

Gramsci é um dos maiores intelectuais do Século XX, qual a importância de relembrar os 80 anos de sua morte?

Alberto Aggio: Gramsci é hoje o pensador que, vindo do marxismo, demonstrou uma vitalidade impressionante ao se voltar para temas que até então o marxismo não havia se embrenhado. Ele enfrentou o momento de uma passagem ou “mudança epocal”, relativamente similar à que estamos vivendo hoje, com o aumento da importância da visão global do mundo e também da complexidade da vida social. Isso repercutiu num pensamento que, a nós hoje, aparece com grande atualidade para se pensar os impasses da vida, da cultura e da política democrática atual.

Luiz Sergio Henriques: Os marxistas, em geral, possuem uma concepção pobre da política e do estado, eles tendem a raciocinar muito dicotomicamente, como se houvesse duas classes, operária e burguesa, em conflito direto sem mediações, sem instituições políticas, sem a cultura, sem a história de cada país, etc. Com Gramsci é diferente, pois ele leva esses fatores em conta, ele dá explicações metodológicas para mostrar que a luta política não é um confronto apenas econômico e uma luta direta entre classes, e sim, algo mais complexo, com mais atores políticos, na qual a cultura tem papel fundamental, pois não se muda a realidade sem estar plenamente consciente da dimensão cultural, do modo como as pessoas pensam e agem. Essa é a riqueza do pensamento de Gramsci e por isso a importância de se relembrar os 80 anos de sua morte.

* Germano Souza Martiniano é Assessor de Comunicação da Fundação Astrojildo Pereira (FAP)

A programação completa do Seminário Hegemonia e Modernidade pode ser conferida clicando na imagem abaixo ou no link http://www.fondazionegramsci.org/convegni-seminari/egemonia-e-modernita/

Sobre o(a) autor(a)

Paulo Jacinto é jornalista, editor do Portal da Fundação Astrojildo Pereira (FAP).

Related posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *