Roberto Andrés, Aldo Paviani, Marcos Magalhães, Rafael Passos e Beth Cataldo participaram de debate online da 55ª edição da revista Política Democrática impressa

Cleomar Almeida, assessor de comunicação da FAP

Desigualdade e exclusão socioespaciais estão diretamente relacionadas ao crescimento de tragédias ambientais e exigirão dos prefeitos eleitos soluções de reorganização das cidades para não aprofundarem, ainda mais, problemas como destruição da natureza, aumento do aquecimento global, desemprego e falta de mobilidade urbana. O alerta é de especialistas que participaram, nesta quarta-feira (14), do terceiro encontro do ciclo de debates online que integram a programação de lançamento da 55ª edição da revista Política Democrática impressa.

Clique aqui e adquira já a sua revista Política Democrática!

Lançada no dia 30 de setembro, a publicação foi produzida e editada pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), em parceria com a Tema Editorial. Quatro dos cinco debatedores têm análises publicadas na nova edição da revista. Realizado para discutir meio ambiente e ocupação urbana, o evento virtual foi transmitido, ao vivo, no site e na página da FAP no Facebook, nos quais o vídeo do debate ficará disponível ao público, gratuitamente. A mediação foi realizada pelo sociólogo Caetano Araújo, diretor da entidade e professor da UnB (Universidade de Brasília)

Assista ao vídeo!


O urbanista Roberto Andrés, professor da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e editor da revista Piseagrama, analisou o que chama de “dupla exclusão”, tema de seu artigo na revista. Segundo ele, as cidades têm o grande desafio de enfrentar a exclusão das pessoas e dos elementos naturais na organização da vida urbana.

“A exclusão se explicita com rios que foram ignorados, relegados, e com chuvas cada vez mais intensas”, afirmou Andrés, que também é integrante da Rede de Inovação Política da América Latina e revisor do Journal of Public Spaces. “É fundamental mudarmos nossas cidades se quisermos manter vidas possíveis, tanto com redução de gases [do efeito estufa] quanto para minimizar os impactos [do aquecimento global] que já estão aí”, acrescentou.

Capital federal

Professor emérito da UnB e membro do Núcleo de Estudos do Futuro e da ANE (Associação Nacional de Escritores), o geógrafo Aldo Paviani chamou atenção para o caso da capital federal, que, segundo ele, ao longo dos anos, teve organização social inversa ao modelo pensado pelos seus organizadores. “O Plano Piloto tem 43% dos postos de trabalhos [do Distrito Federal] e os melhores salários”, disse.

No entanto, de acordo com Paviani, a desigualdade é vista, nitidamente, nas 33 regiões administrativas do DF (Distrito Federal), as chamadas cidades-satélites. Elas têm 57% dos postos de trabalho da unidade federativa, mas com baixos salários. “As cidades-satélites foram construídas para moradia, e não para trabalhar e morar nelas próprias”, observou o professor da UnB, que também tem análise publicada na revista Política Democrática impressa.

Toda essa desigualdade socioespacial e econômica, segundo o geógrafo, tem nítidos reflexos no dia a dia da população. “Mais de 150 mil veículos, todo dia, fluem para o Plano Piloto. Não há lugar para estacionamento. Em dez anos, não vai ter como estacionar no Plano Piloto”, alertou ele. “É uma mobilidade intensa porque aqui o transporte público é muito precário”, asseverou.

O jornalista Marcos Magalhães, mestre em Relações Internacionais pela Universidade de Southampton e que escreve a coluna semanal para o site Capital Político, observou que é preciso conciliar a necessidade de fornecer moradia com bem estar e qualidade de vida. Sua apresentação seguiu na mesma linha de sua análise publicada na revista.

Em linhas gerais, Magalhães entende que o país precisa contar com setores que mais empregam para reduzir o mais rapidamente possível os efeitos econômicos e sociais da crise que já existia e se agravou depois do início da pandemia. A pressa, segundo ele, não deveria inibir um debate mais amplo sobre a questão urbana no Brasil. “Um debate que aborde, sem medo, a necessidade de conciliar os legítimos interesses do setor imobiliário com as igualmente legítimas – e urgentes – necessidades dos milhões de habitantes das cidades brasileiras”, escreveu ele, no texto.

Manifesto

Vice-presidente nacional do IAB (Instituto de Arquitetos do Brasil), Rafael Passos ressaltou a importância do manifesto “Um projeto de cidades pós-pandemia”, que apresenta pontos fundamentais que devem ser focados com diálogo e vontade política pelos próximos prefeitos eleitos. O instituto é um dos signatários da carta, apresentada à sociedade e aos candidatos às eleições municipais por instituições de arquitetura e urbanismo do Brasil.

O documento sugere colocar as pessoas no centro das políticas, programas e projetos urbanos de curto, médio e longo prazos, priorizando o bem estar social; planejar as políticas urbanas de forma transversal, inclusiva e integrada; e viabilizar o financiamento contínuo das políticas urbanas, com recursos de diversas fontes.

Além disso, o manifesto também indica a busca por articulação territorial sempre que o orçamento e o alcance municipal não forem autossuficientes, assim como a garantia da participação popular nos processos decisórios. Para esse último ponto se viabilizar, segundo o documento, é preciso fortalecer conselhos municipais e a representatividade e equidade de seus membros, refletindo a maioria feminina nas lideranças comunitárias.

Organizadora da nova edição da revista Política Democrática impressa, a jornalista Beth Cataldo, da Tema Editorial, destacou que a transparência dos poderes públicos é fundamental para melhoria das cidades brasileiras. Além disso, ela apontou a importância da crítica e contribuições da imprensa local, que enfrenta dificuldades de orçamento e independência editorial, para direcionar, adequadamente, as decisões dos gestores.

De acordo com Beth, o jornalismo é essencial para colaborar com discussões acerca de assuntos relevantes para as cidades, como meio ambiente, planejamento e ocupação urbana. No entanto, ela citou dados sobre municípios brasileiros que sequer têm jornais independentes. Em sua avaliação, a diversidades de vozes ecoadas nas mídias digitais pode, em tese, colaborar para a sociedade ter mais pluralidade de informações e debates de assuntos que afetam a vida da população.

Ficha técnica

Título: A reinvenção das cidades – Revista Política Democrática edição 55
Número de páginas: 282
Projeto gráfico e diagramação: Rosivan Pereira
Revisão textual: Mariana Ribeiro
Preço versão impressa: R$ 45,00
Publicação: Fundação Astrojildo Pereira (FAP) e Tema Editorial

Leia também:

Webinar da Política Democrática impressa aborda meio ambiente e ocupação

Cenário da pandemia pode impulsionar desaglomeração, dizem especialistas

Ciclo de debates online discutirá impactos da pandemia na vida urbana

Especialistas apontam desafios e indicam rumos para gestão de municípios

Ciclo de debates A reinvenção das cidades tem início nesta quarta-feira (30)