Batalha de poesias do Slam DéF definirá novo finalista para disputa de dezembro

Com transmissão da Biblioteca Salomão Malina, evento online será realizado nesta quinta-feira

Cleomar Almeida, assessor de comunicação da FAP

Com apoio Biblioteca Salomão Malina, mantida pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira) em Brasília, o grupo Slam-DéF realiza, nesta quinta-feira (12), das 19h às 20h30, a segunda e última classificatória online de poetas e poetisas que se inscreveram para concorrer a uma vaga da final da batalha de poesias, que será realizada em dezembro. A transmissão será realizada pela página da biblioteca no Facebook e pelo site da fundação, simultaneamente.

Assista ao vídeo!




Na batalha classificatória desta quinta-feira, a última vaga da final será disputada por poetas e poetisas que se inscreveram, até o dia 19 de outubro, por meio de formulário na internet. Outra semifinal de candidatos foi realizada no dia 22 de outubro, também de forma virtual, em razão das regras de distanciamento social recomendadas por autoridades sanitárias durante a pandemia do coronavírus.

A retomada das competições teve como objetivo criar novo ranking de pontuações para a disputa do prêmio da etapa final, que será realizada em dezembro. O vencedor dessas próximas edições vai competir com o poeta Mano Dablio, ganhador da última batalha de poesias, realizada no mês de setembro.

Assim como nas edições presenciais, que eram realizadas até o início da pandemia da covid-19, a competição contará com a participação de jurados voluntários, convidados pelo coordenador e produtor do Slam DéF, Will Júnio.  Eles também participarão virtualmente para votar nas melhoras performances poéticas dos inscritos.

Interessados podem solicitar mais informações por meio do whatsapp oficial da Biblioteca Salomão Malina (61 984015561).

O slam nasceu em Chicago, Estados Unidos, nos anos 1980. Chegou ao Brasil duas décadas depois. No Distrito Federal, começou em 2015, com o Slam-DéF, que também atua no Entorno. O grupo integra diversas pessoas de qualquer idade, cor, raça, etnia e orientação sexual.

Veja vídeos de batalha de poesias do Slam-DéF:

Biblioteca Salomão Malina transmite batalhas de poesias do Slam-Déf

Biblioteca Salomão Malina transmite final da batalha de poesias Slam-DéF

Apoiado pela Biblioteca Salomão Malina, Slam-DéF realiza eliminatórias em agosto

Mulheres da periferia discutem sociedade sexista em live da Biblioteca Salomão Malin


Biblioteca Salomão Malina transmite final da batalha de poesias Slam-DéF

FAP faz retransmissão do evento, que será realizado de forma virtual com poetisa e poetas da periferia do DF

Cleomar Almeida, assessor de comunicação da FAP

A etapa final da batalha de poesias do Slam-DéF será realizada, nesta quinta-feira (17), de forma virtual, com transmissão ao vivo pela página da Biblioteca Salomão Malina no Facebook, que é mantida pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), em Brasília. O vencedor vai representar o Distrito Federal na competição nacional do Slam-BR, realizada, anualmente, em São Paulo, com slammers de todo o país.

Em seu site e em sua página no Facebook, a FAP faz a retransmissão da final, para a qual foram classificados a poetisa Rebeca de Assis e os poetas Mc. Oráculo, Robson Silva e Mano Dáblio. Eles conseguiram passar para esta última etapa em duas eliminatórias realizadas, nos dias 20 e 27 de agosto, também de forma virtual (confira nos vídeos abaixo).








Da mesma forma como ocorreu nas eliminatórias, a votação do público será online e terá as instruções explicadas, no início da etapa final, pelo coordenador do Slam-DéF, Will Júnio, que é o mediador da disputa.

O slam nasceu em Chicago, Estados Unidos, nos anos 1980. Chegou ao Brasil duas décadas depois. No Distrito Federal, começou em 2015, com o Slam-DéF, que também atua no Entorno. O grupo integra diversas pessoas de qualquer idade, de cor, raça, etnia e orientação sexual. A data da competição nacional do Slam-BR ainda não foi divulgada.

Veja também:

Apoiado pela Biblioteca Salomão Malina, Slam-DéF realiza eliminatórias em agosto

Mulheres da periferia discutem sociedade sexista em live da Biblioteca Salomão Malina


Apoiado pela Biblioteca Salomão Malina, Slam-DéF realiza eliminatórias em agosto

Disputas serão mediadas por Will Júnio e serão transmitidas, ao vivo, na internet

Cleomar Almeida, assessor de comunicação da FAP

O grupo Slam-Déf, apoiado pela Biblioteca Salomão Malina e que realiza batalhas de poesias no Distrito Federal, vai realizar, neste mês de agosto, duas eliminatórias online de seus participantes para concorrerem a uma vaga na disputa distrital para o Slam-BR. O Campeonato Brasileiro de Poesia Falada é realizado, anualmente, em São Paulo, com slammers de todo o país. A FAP (Fundação Astrojildo Pereira) apoia os participantes do DF a irem à batalha nacional.

As duas eliminatórias serão realizadas, nos dias 20 e 27 de agosto, com poetas e poetisas que disputaram, presencialmente, nos meses de fevereiro e março. Os oitos primeiros classificados foram divididos em dois grupos. A Biblioteca Salomão Malina vai realizar a transmissão ao vivo das batalhas de poesias em sua página no Facebook. A FAP faz a retransmissão, em tempo real, em seu site e em sua página na rede social.

Assista ao vídeo da segunda eliminatória (27/08/2020)

Assista ao vídeo da primeira eliminatória (20/08/2020)

https://www.facebook.com/salomaomalina/videos/610631796178438/

Assim como a competição, a votação do público também será virtual e terá as instruções explicadas antes de cada eliminatória. O coordenador do Slam-DéF, Will Júnio, faz a mediação das duas disputas.

O slam nasceu em Chicago, Estados Unidos, nos anos 1980. Chegou ao Brasil duas décadas depois. No Distrito Federal, começou em 2015, com o Slam-DéF, que também atua no Entorno. O grupo integra diversas pessoas de qualquer idade, de cor, raça, etnia e orientação sexual. “A nossa ideologia é abrir espaço para as vozes da periferia”, afirma o coordenador.

Veja também:

Mulheres da periferia discutem sociedade sexista em live da Biblioteca Salomão Malina


Mulheres da periferia discutem sociedade sexista em live da Biblioteca Salomão Malina

Com transmissão ao vivo, evento online terá participação de sete jovens e será realizado no dia 16 de julho

Cleomar Almeida, assessor de comunicação da FAP

Mulheres artistas da periferia vão discutir, no dia 16 de julho, das 19h às 20h30, a escrita poética na sociedade sexista em nova live do grupo Slam-DéF, com apoio da Biblioteca Salomão Malina, mantida pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), em Brasília. O evento online é aberto ao público e terá transmissão ao vivo pela página da biblioteca no Facebook. A retransmissão em tempo real será realizada no site da FAP e na página da entidade no Facebook.

Empoderamento feminino, periferia, violência, criminalidade, opressão contra minorias, luta por oportunidades, racismo, machismo, sexismo estão entre os assuntos que devem ser abordados pelas artistas durante a live do Slam-DéF. Além disso, elas também devem apresentar caminhos para superação dos problemas, em busca de uma sociedade menos injusta, menos desigual e menos excludente.

Confira!

https://www.facebook.com/salomaomalina/videos/3474442282587467/

O slam nasceu em Chicago, Estados Unidos, nos anos 1980. Chegou ao Brasil duas décadas depois. No Distrito Federal, começou em 2015, com o Slam-DéF, que também atua no Entorno. O grupo integra diversas pessoas de qualquer idade, de cor, raça, etnia e orientação sexual. “A nossa ideologia é abrir espaço para as vozes da periferia”, afirma o produtor do grupo, o professor de língua portuguesa Will Junio.

A seguir, confira as sete artistas convidadas para a próxima live do Slam-DéF:

Madu Krasny é travesti negra, moradora da Tailândia, divisa de Taguatinga e Ceilândia, Distrito Federal. É coordenadora da pasta de mulheres e gênero do DCE (Diretório Central dos Estudantes) da UnB (Universidade de Brasília. Também coordena a pasta de Combate às Opressões, na UnB. É técnica da comunicação na Liderança do PSOL na Câmara dos Deputados e militante pelo Afronte.

Aqualtune é poetisa, atriz, dramaturga e estudante de Artes Cênicas na UnB.  Começou suas atividades artísticas no Espaço Semente ao se tornar integrante da Semente Cia. de Teatro e organizadora, junto ao poeta Banzo, do Sarau Semeando Arte, onde declamou e desenvolveu suas poesias. Através do Teatro Comunitário desenvolvido junto à companhia e de suas poesias, evidencia os protagonismos periférico, preto e feminino necessários à arte.

King é uma artista preta da zona sul de SP. Carrega em suas poesias um olhar crítico sobre a sociedade e a visão de mulher preta periférica. Em 2018 e 2019, participou da batalha nacional de poesia (Slam BR), alcançando o título de bi vice campeã. Carrega sempre uma frase consigo: “Quando a mulher preta fala, você para pra ouvir”.

Fabi Souza é poetisa do DF e estudante de artes. Atua na cena da poesia falada há um ano.

Mari Gominhos é produtora cultural e audiovisual. Atua na área de elaboração e execução de projetos culturais e coordena a produção do grupo Ruas (Rede Urbana de Ações Socioculturais) e no Coletivo Toca Filmes.

Negajara é poeta MC da cidade de Petrópolis (RJ), preta, periférica, bissexual. Começou sua caminhada em 2018, batalhando nas rodas de rima. Em 2019, passou a participar de batalhas de poesia e a organizar slans e rodas culturais. Ela acredita que a cultura é uma ferramenta de conscientização e empoderamento da periferia.

Nega Lu escreve a partir das suas vivências e visão de mundo, de forma afrocêntrica. Seu ponto de partida é ser mulher negra, LGBT e periférica. “Sou ser política, minhas poesias são denúncia, protestos. São amor também, carinho e calmaria”, afirma.

Live de artistas da periferia do DF mostra a importância da poesia em tempo de crise

Com apoio da Biblioteca Salomão Malina, encontro online teve transmissão ao vivo no site e Facebook da FAP

Cleomar Almeida, assessor de comunicação da FAP

Com apoio da FAP (Fundação Astrojildo Pereira) e Biblioteca Salomão Malina, o grupo Slam-DéF realizou a segunda edição da live sobre a importância da poesia em tempos de crise nesta terça-feira (16), às 19h, com transmissão pelo site e pela página da entidade no Facebook. O encontro online reuniu artistas da periferia de Brasília e região, mobilizando p pessoas a usarem o poder da palavra para protesto e reivindicação de direitos, assim como força para denunciar crimes e preconceitos contra minorias.

Confira como foi a live!

https://www.facebook.com/salomaomalina/videos/1321729308163489/?t=1

O poeta e professor Will Junio, criador do Slam-DéF, diz que a poesia é um meio de unir as pessoas. “Em tempos como este, a poesia é importante porque é o ‘artigo científico’ do poeta-cientista”, afirma ele. “O poeta é visionário, um cientista do seu tempo, um artista de percepção inigualável que estuda o seu meio, para filtrá-lo, retratá-lo com eufemismos que nos acalmam, com hipérboles que nos incomodam ou com metáforas que nos fazem refletir”, destaca.

De acordo com Wiil Junio, a vida real é o grande instrumento de inspiração da poesia como arte de protesto. “O material de estudo do poeta é a vida. Portanto, o gênero lírico é fundamental para nos acolher, nos incentivar, nos criticar e, principalmente, nos mostrar o que muitas vezes fingimos não ver”, diz. “Acredito que a arte, em tempos de crise sanitária, é a ‘válvula de escape’ dos cidadãos em todo mundo. Sem a cultura, as pessoas estariam com problemas psicológicos seríssimos e, consequentemente, descumpririam, com mais facilidade, as recomendações dos especialistas”, pondera o professor.

Na avaliação de Will, diante do desconhecido, que tem capacidade de colocar vidas em risco, além de criar crise econômica global e tirar a liberdade de se locomover livremente, as pessoas podem se tornar negativas, depressivas e tendenciosas ao vício. “Por isso, a cultura e a arte, no âmbito social, são os maiores combatentes contra a epidemia do novo coronavírus. Parafraseando Clarice Lispector (1996), nós queremos é morrer de saúde e não morrer de doença”, afirma o poeta.

Coordenadora da Biblioteca Salomão Malina, que é mantida pela FAP, Thalyta Jubé diz que a realização de uma discussão por meio de live concretiza a missão da biblioteca junto à sociedade para promoção da cultura. “A biblioteca não é somente uma depositária de acervos, sua função é servir como facilitadora de acesso à informação, educação e cultura”, destaca ela.

Ao promover trabalhos como este, de acordo com Thalyta, a biblioteca gera oportunidades a artistas e poetas para expressarem sua arte, sua visão de vida e seus protestos por meio da poesia performada. “A biblioteca atua então como uma plataforma de formação cultural”, diz ela, lembrando que, antes da epidemia, o Slam-DéF realizada encontros de batalhas de poesias no Espaço Arildo Dória, o que deve ser retomado após o período de isolamento social, recomendado pelas autoridades de saúde do mundo todo.


Arte de protesto mobiliza jovens de periferia pela preservação da vida, destaca Política Democrática

Reportagem contou mais de 50 movimentos que reúnem a juventude no Distrito Federal

O engajamento de jovens de periferias do Distrito Federal em movimentos socioculturais são o destaque da nona edição da revista Política Democrática online, produzida e editada pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira). De acordo com a reportagem, eles têm saído cada vez mais do anonimato e usam poesias, letras de música e outras formas de manifestação político-cultural como “arte de protesto”.

» Acesse aqui a nona edição da revista Política Democrática online

Os jovens sobreviventes da guerra às periferias se mobilizam, conjuntamente, para fortalecer a maior arma de suas comunidades pela vida: a conscientização. A reportagem destaca que, assim como em outras partes do país, o número de movimentos socioculturais tem aumentado em Brasília e cidades próximas.

Dessa forma, os jovens deixam de ser socialmente invisíveis para travarem uma incessante luta por garantia de direitos. Eles já não se perdem nos números dos mais diversos levantamentos, que, às vezes, até se contradizem por conta das distintas fontes de dados, embora sejam importantes para a definição e a melhoria de políticas públicas. Cada vez mais, eles têm saído do anonimato para ocupar ruas, praças, parques e regiões centrais das cidades e mostrar suas artes. Só no Distrito Federal, há mais de 50 movimentos que reúnem jovens de periferia, conforme apurou a reportagem.

“Na escola, ainda criança, já era xingada por causa do meu cabelo. Por isso, passei a escovar a franja e enchê-lo de creme para não ficar alto. Me chamavam de bombril. O bullying e o racismo são muito perversos, mas o empoderamento veio com o tempo”, afirma  a assistente social Luana Rocha de Queiroz, de 22 anos, conhecida como Nega Lu.

Para o estudante Werick Heslei Pereira da Silva, de 20, é preciso vencer o estigma de que “ser da periferia é feio”. “A periferia é muito rica. O samba veio da periferia e a capoeira ganha força no contexto de pessoas marginalizadas. A guerra pintada contra a periferia reforça uma face cruel do poder simbólico. A burguesia acha que quem é da periferia tem que limpar chão e não pode ascender na vida, mas não é assim”, diz ele.

A poesia como protesto chega de repente para a balconista de padaria Naiara de Jesus Barbosa, de 27 anos, conhecida como Araian Poeta.  “O que me inspira é minha visão sobre a realidade, o sentimento do momento, como revolta, amor, aflição, tristeza. Ultimamente, estou sentindo mais revolta porque cada notícia é gritante”, afirma.

O estudante João Vitor Brito Araújo, de 20, diz que seus sonhos são o impulso para usar a arte como manifestação. “É preciso viver com sonhos. Meu maior sonho é dar uma casa para a minha mãe, mais conforto pra ela. E conseguir ter o conforto que mereço com a minha arte. Quero pelo menos ter sossego onde moro”, acentua.

Leia mais:

» ‘Política de justiça criminal atingiu mais os desiguais’, diz Roberto Kant à Política Democrática

» Nova edição de Política Democrática destaca protagonismo de jovens da periferia do DF